Tribunal alivia e São Paulo passa praticamente ileso de julgamento pelo jogo com Palmeiras

Nesta terça-feira (12), o São Paulo chegou a um acordo com a Procuradoria do TJD-SP (Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo) sobre as punições a membros da diretoria e aos jogadores após o clássico contra o Palmeiras. O Tricolor pagará uma multa, logo, os envolvidos no caso não devem ser suspensos. 

O Tricolor terá que desembolsar o valor de R$ 200 mil, e os três jogadores, três diretores e um membro da comissão técnica estão liberados para o decorrer do Campeonato Paulista. Eles não serão mais julgados. 

O TJD-SP iria julgá-los nesta quinta-feira (14). Os envolvidos eram: o presidente Julio Casares, o diretor de futebol Carlos Belmonte, o diretor adjunto Fernando Bracalle Ambrogi, chamado de Chapecó. Todos respondiam pelo no Artigo 258, Parágrafo 2 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), e poderiam ser suspensos por até 180 dias.

Segundo informações divulgadas pelo portal Gazeta Esportiva, os membros da diretoria do clube irão arcar com a multa. Por outro lado, os valores referentes a Calleri, Rafinha e Wellington Rato serão depositados pelo próprio clube, além do auxiliar técnico  Estéphano Djian.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Junto a isso, Belmonte foi proibido de ir a jogos do São Paulo até o final do Estadual, além de gravar um vídeo de desculpas ao técnico do Palmeiras, Abel Ferreira, o qual chamou de “português de m…“ após o Choque-Rei no MorumBis. O próprio SPFC iria publicar o vídeo, mas ele acabou sendo vazado de maneira inesperada nas redes sociais.