Treinador da Portuguesa avalia a chegada de James Rodríguez e erros na contratação do SPFC

Atual treinador da Portuguesa, Pintado, que se destacou pelo São Paulo nos anos 1990, falou abertamente sobre a situação de James Rodríguez no Tricolor. Em entrevista ao jornalista André Hernan, do UOL, ele não concordou com a postura adotada pela comissão técnica em relação ao colombiano.

“Quando um atleta chega para um grupo, alguém já avaliou. Ele não pode chegar para ser avaliado. Em um grande clube principalmente. E ele tem valor, história. Eu tenho certeza que ele foi avaliado e que deram o aval para ele jogar no São Paulo em determinado sistema e determinando as responsabilidades do jogador”, iniciou.

Bicampeão da Libertadores da América e campeão do Mundial de Clubes pelo SPFC, o ex-volante afirmou que encontrar espaço para James Rodríguez é uma questão complicada para a equipe. Isso porque o time foi campeão da Copa do Brasil sem a presença do colombinao, que ficou no banco nas batidas finais.

“Quando a gente fala do James, temos um histórico que foi avaliado e, quando ele chega ao time campeão da Copa do Brasil, é difícil encontrar espaço para ele. Por mais qualidade que ele tenha, é preciso desmontar o time campeão para colocar o James. Não sei se seria positivo. Agora, tem que arrumar uma solução. Quem escala não é o treinador, é o próprio jogador: as atitudes, o treinamento, o dia a dia”

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Saída do São Paulo

Pintado chegou a ser auxiliar técnico fixo do São Paulo entre 2016 e 2017, mas acabou se desligando do Tricolor para a surpresa da torcida. Na mesma entrevista, ele disse que um dos motivos pela saída foi o fato de “Não ficar com a boca fechada”.

“Minha relação com o clube mudou depois que eu falei sobre a contratação de um atleta. Seis meses antes, o valor era muito baixo. Depois, ele foi supervalorizado. Eu contestei a contratação. Achei que era minha obrigação, minha responsabilidade. Eu fazia parte da parte técnica. Eu nunca discuti os valores, mas falei que achava que tecnicamente ele não cabia no São Paulo”, comentei.