Time de Roberto Justus está trazendo de volta jogador envolvido no esquema de apostas esportivas

Depois de cair para a segunda divisão no fim da temporada passada, 2024 também não começou da melhor maneira para o Coritiba. Já são quatro jogos sem vencer, além disso, o clube tem que lidar com a polêmica do atacante Alef Manga.

Na última sexta, o Coritiba afirmou que iria inscrevê-lo no Campeonato Paranaense, e que o mesmo retornaria às atividades com o grupo. Contudo, a repercussão negativa fez com que a instituição voltasse atrás na decisão. Carlos Amodeo, atual CEO da SAF, comentou sobre o retorno do jogador após envolvimento em esquema de aposta.

“Caso, por qualquer motivo que a gente não acredita que aconteça, o STJD diga que ele (Alef Manga) não poderá frequentar as atividades do clube, o atleta será integrado ao departamento de futebol sem comparecer às dependências, mas tendo o atendimento à distância, seja do acompanhamento nutricional, planilha de treinos físicos e também acompanhamento fisiológico dos nossos fisiologistas”, disse.

Na visão do clube, a pena aplicada ao jogador o impede de disputar partidas oficiais e frequentar os estádios, Contudo, não há nada que o tire dos treinos. O time foi eliminado recentemente da Copa do Brasil e terá três semanas livres de trabalho.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

“Quando nós chegarmos no início da Série B ou, eventualmente, nos jogos finais do Campeonato Paranaense, que é nosso objetivo, e o atleta eventualmente seja liberado pelo STJD, que já esteja integrado com esse grupo, que é completamente diferente do que ele trabalhava quando foi suspenso. Assim, ideia é que possamos, com isso, ganhar tempo para que na Série B nós tenhamos grupo completo, já fortalecido, com o entrosamento de todos”, continuou o CEO.

Antes, a expectativa era que Alef Manga voltasse aos gramados no final do mês passado. Todavia, o STJD mudou de ideia, e agora, as penas dos jogadores acusados na Operação Penalidade Máxima só serão analisadas em abril.

“A reativação (do contrato) é uma prerrogativa do clube que independe do processo no STJD. O regulamento geral de competições da CBF e o regulamento específico de competições do Campeonato Paranaense não estabelecem nenhuma vedação para que um atleta suspenso seja inscrito na competição, pelo motivo que for. O que não pode é ele entrar em campo e atuar, porque ele tem uma inelegibilidade de atuação por conta dessa suspensão”, finalizou Carlos Amodeo.