Sem Pablo Maia, Rodrigo Nestor pode ser a grande venda do São Paulo

O São Paulo já se prepara para a abertura da janela de transferências de julho, a mais movimentada de toda a Europa. A ideia é a manutenção do elenco atual visando conquistas, mas em caso de ofertas boas financeiramente, o clube não deve segurar os jogadores. 

Um dos mais cotados a ser vendido era o volante Pablo Maia. Todavia, o jogador acabou se machucando e passou por cirurgia para correção. Dito isso, ele só voltará aos campos no segundo semestre e não será negociado no meio do ano.

Desta forma, poderá abrir espaço para a venda de outro atleta criado e formado nas categorias de base de Cotia: Rodrigo Nestor. O autor do gol do título da Copa do Brasil está recuperado de uma lesão que sofreu ano passado e voltou ao time titular com Luis Zubeldía. 

De acordo com informações divulgadas pelo jornalista Jorge Nicola ainda no ano passado,  o meia estava sendo observado por clubes da Inglaterra, além do Zenit, da Rússia e Lyon, da França, antes de se machucar. Com o retorno e a necessidade de fazer dinheiro, o São Paulo pode acabar negociando o jovem nesta janela. 

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Ele chegou a ser cotado para vestir a camisa da seleção brasileira nos Jogos Olímpicos de Paris. Ele renovou seu contrato até 2027, e junto a isso, havia pedido uma redução na multa rescisória.

“Foi uma exigência do Rodrigo Nestor [a multa menor]. Mas é bom que se diga que, qualquer oferta por 20 ou 25 milhões de euros, o Nestor será vendido”, comentou Jorge Nicola.

Casares fala sobre possíveis vendas

Julio Casares admitiu que o plano principal é a manutenção do elenco. Contudo, a situação financeira do clube não está das melhores, uma vez que a dívida aumentou em R$ 80 milhões em 2023 em relação ao ano anterior.

“O atleta às vezes quer sair, e nós seguramos o quanto for possível. Agora não será diferente, vamos tentar seguir esse equilíbrio. Não é fácil, lá no final do ano temos que fechar as contas. Não adianta só crescer no marketing, bilheteria e premiação. Temos que fechar a conta, e a venda de jogador é um produto”, disse o dirigente.