São Paulo tenta a contratação de pupilo de Guardiola

Nos últimos dias, surgiram diversas especulações de que Thiago Carpini seria demitido do São Paulo. A dispensa, de fato, deve acontecer, ainda mais depois da derrota por 2 a 1 para o Flamengo, no Maracanã, nesta quarta-feira (17).

Diante disso, a diretoria do São Paulo já está procurando por voos para os treinadores no mercado da bola. A prioridade é por um estrangeiro, seja europeu ou sul-americano. Dito isso, veteranos brasileiros como Vanderlei Luxemburgo, Felipão e Mano Menezes não devem ser contratados.

Segundo informações divulgadas pela TNT Sports, o  Tricolor conversou com três nomes: o uruguaio Diego Alonso, de 49 anos, o português Carlos Carvalhal, de 58 anos, e o espanhol Domènec Torrent,  de 61 anos. Todos tiveram reuniões virtuais com a cúpula do clube nos últimos dias, e estão livres no mercado.

Domenéc foi assistente de Pep Guardiola durante muito tempo de sua carreira, seja no Barcelona, Bayern de Munique e Manchester City. Já ganhou de tudo. Teve rápida passagem pelo Flamengo em 2020, mas acabou sendo demitido após resultados abaixo do esperado.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Guardiola e Gabriel Jesus falam sobre Domenéc Torrent

Por sinal, a demissão do espanhol deu o que falar, e diversos nomes importantes do futebol comentaram sobre o assunto.Um deles foi o proprio Guardiola, que rasgou elogios ao ex-assistente.

 “Acho que Dome fez um bom trabalho em termos de resultados para um novo treinador que não teve tempo para treinar em meio à pandemia, mas a decisão foi tomada. A decisão é da diretoria do Flamengo. Sei que foi uma experiência incrível para ele, que foi e é muito grato pela oportunidade de viver no Brasil e disputar a Libertadores. Agora, é o momento de chegar a um acordo final com o clube e aguardar uma nova oportunidade”, disse. 

Outro que também partiu em defesa de Torrent foi o atacante Gabriel Jesus, com quem trabalhou em Manchester. O brasileiro comentou que ele tem muita qualidade, mas que o futebol brasileiro acaba sendo diferente.

“Fiquei quase dois anos com o Dome. É um cara muito gente boa, muito calmo, com qualidade imensa. Mas a pegada do Brasil é diferente do que ele estava acostumado, não quero defender, mas ele entende muito de futebol, treinava, passava treino, ajudava a gente”, disse.