São Paulo perde a paciência e decide contratar 3° maior atacante do Brasileirão Série A

Com o final da temporada, a diretoria do São Paulo pode focar totalmente na busca por novos reforços para 2024, quando a equipe comandada pelo técnico Dorival Júnior disputará a Libertadores.

Uma das principais prioridades é a contratação de um atacante que consiga ser uma “sombra” de Jonathan Calleri, uma vez que Erison não deve ter seu empréstimo renovado. O nome que surgiu nos últimos dias foi o de Pedro Raúl, que atua no Toluca, do México.

Vale destacar que Pedro Raul possui características parecidas com as de Calleri, já que um de seus pilares são os gols de cabeça. Por sinal, o brasileiro era o terceiro maior centroavante do Campeonato Brasileiro de 2023, com seus 1,93m, segundo o Portal dos Times. O jogador com a maior estatura é Valber Júnior, do Goiás, com 1,98m.

“Eu não discuto nunca nomes. Tem nomes que passam pelo nosso monitoramento, outros não. O São Paulo sempre vai buscar em posições, em que pode imaginar uma carência, ele vai trazer oportunidade, desde que caiba no nosso orçamento“, disse Julio Casares, após ser reeleito como presidente do clube.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

O nome do brasileiro entra no radar são-paulino mesmo após uma passagem muito abaixo pelo Vasco em 2023. Em 25 partidas disputadas, marcou nove gols e duas assistências. Vale lembrar que a grande parte dos jogos foram pelo Estadual. 

Em baixa no México, Pedro Raul pode ser emprestado ao Tricolor

Ele foi um dos jogadores mais criticados do Cruzmaltino nos primeiros seis meses de 2023, tanto é que em junho, foi vendido ao Toluca, do México, pelo valor de US$ 5 milhões (R$ 24 milhões na época).

No México, Pedro Raul disputou 18 jogos, marcando quatro gols e distribuindo uma assistência. Em baixa, ele pode retornar ao futebol brasileiro para defender o Tricolor. A tendência é que o SPFC tente negociá-lo por empréstimo já que seu valor de mercado é estimado em US$ 5 milhões (cerca de R$ 24 milhões), valor inimaginável para a condição financeira atual.