São Paulo é passado para trás e Mastrini já está com destino certo

Ainda no final do ano passado, o São Paulo demonstrou interesse na contratação do atacante Gonzalo Mastriani, do América-MG. O limite de estrangeiros somado ao valor pedido pelo Coelho afastaram o uruguaio do Morumbis. Agora, ele está de casa nova.

Depois do triunfo em cima do Ipatinga, Mastriani confirmou que está de saída do América. Segundo informações divulgadas pelo portal Globo Esporte, ele está muito próximo de vestir a camisa do Athletico-OR, que estava em busca de um novo centroavante após a  venda de Vítor Roque ao Barcelona.

“Seguramente, foi meu último jogo no América, com a camisa da América. Ninguém sabia até agora. Vou falar com meus companheiros. Estou feliz pelo meu passo, mas estou um pouco triste também por esta camisa pesada que eu defendi, que eu respeitei, pelos meus companheiros, pelo trabalho que todo mundo está fazendo. Mas era o passo que a gente tinha que dar. Acho que (a torcida) vai entender, meus companheiros vão me entender, e é isso”, disse, em entrevista à Rádio Itatiaia.

A conversa entre ambos os clubes retornou na última semana, após um leve afastamento do time de Curitiba. A diretoria mineira aceitou reduzir a pedida, e com o “sim” de ambas as partes, basta a assinatura do contrato.

Mastriani tinha contrato com o América-MG até o final da temporada de 2025. A pedida inicial do presidente do clube mineiro, Marcos Salum, era de 2,5 milhões de dólares, algo em torno de R$ 12,5 milhões. Ele foi o principal artilheiro do América na temporada passada, anotando 21 gols em 41 partidas. 

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Boa relação entre os clubes potencializou a negociação

Um detalhe importante para que a negociação fosse concluída foi a boa relação entre os clubes e os presidentes Marcus Salum e Mário Celso Petraglia. Em entrevista ao programa Donos da Bola, o mineiro confirmou a amizade entre ambos.

“A minha relação com o Athletico não fica arranhada por qualquer negociação, pois são mais de 30 anos de amizade entre eu e o Petraglia. Somos dois muros de bater, e quando bate costuma cair alguns tijolos, mas a gente se entende bem. A relação é a melhor possível. Se eles chegarem no número, eu prefiro fazer o negócio com o Athletico”, disse.