São Paulo define venda de Beraldo e Pablo Maia

Depois de conquistar a Copa do Brasil e adicionar R$ 70 milhões aos seus cofres, o São Paulo respirou aliviado no âmbito financeiro. Como consequência direta, não há a urgência por vendas de atletas, o que pode fazer com que o Tricolor faça jogo duro para os interessados em Lucas Beraldo e Pablo Maia.

O zagueiro e o volante foram os jogadores do Tricolor que mais receberam propostas na última janela de transferências. Mesmo em situação financeira complicada, o clube optou por segurá-los visando a conquista de um título.

Com a alta renda em bilheteria, vaga na Libertadores e premiação da própria Copa do Brasil, o São Paulo não deve liberá-los tão facilmente, e deve pedir quantias muito altas para os interessados.

De acordo com informações divulgadas pelo UOL Esporte, Beraldo recebeu ofertas que chegaram na casa dos 9 milhões de libras (cerca de R$ 54 milhões na cotação atual). A diretoria rejeitou, e só iria negociar a joia de Cotia em caso de valores muito acima.

“O que o Beraldo joga é de outro planeta, já está na hora de se pensar em convocação para seleção principal. Já chegou proposta e proposta alta, mas alta para aquele momento. Agora, vão ter que pagar o que ele vale. Quando o Miranda estava conosco ainda, o Beraldo ainda não tinha jogado no profissional, ele falou ‘esse moleque vai ser melhor que eu’. Não temos desejo de vender o Beraldo, mas sabemos que devem vir propostas por ele e pelo Pablo, que são jogadores diferenciados. Foi difícil de segurá-los. Decidimos recusar e nem abrir negociação”, disse Carlos Belmonte, diretor de futebol do São Paulo.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Apesar de fazer jogo duro, SPFC admite que pode vender alguns jogadores

Na última janela de transferências, o São Paulo, que sempre foi uma referência nas negociações de seus jovens, optou por não vender ninguém. Contudo, a janela de janeiro deve ser movimentada, já que há um tempo maior para reposição das peças.

“A janela de agora é um pouco diferente. É uma janela pior, mas melhor do nosso ponto de vista. Se o jogador sai, eu tenho condição de recompor no início da temporada. Valores vão chegar, não tenho dúvidas. Felizmente, depois de três anos de gestão, agora a gente só vende pelo que a gente quer. Quer tirar um jogador do São Paulo? Paga o que a gente quer. Se não, deixa ele aqui”, finalizou Belmonte.