Robinho escolhe sua nova profissão após ficar livre

Condenado a nove anos de prisão por estupro pela Justiça da Itália, Robinho continua livre. Quando a setença final foi diulgada (ultima instância), ele estava no Brasil, país que nao permite a extradição. 

Contudo, após pedido das autoridades italianas, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) divulgou que o ex-jogador terá que cumprir a pena no Brasil. Além do relator Francisco Falcão, mais oito ministros foram à favor, com somente dois votos contrários.

A  Corte Especial do STJ, que é formada pelos ministros mais antigos do tribunal, garantiu que o mesmo deverá cumprir a pena e ser preso de forma imediata. A decisão cabe à Justiça Federal de Santos, cidade na qual Robinho vive atualmente. 

Por outro lado, os advogados do ex-atacante querem postergar o máximo a possibilidade de seu cliente ser preso. Para isso, deverá recorrer a duas instâncias: ao próprio STJ e também ao Supremo Tribunal Federal.

Sua defesa quer apresentar um habeas corpus para que ele não seja preso nos próximos dias. A ideia é que ele aguarde o andamento do processo e do julgamento em liberdade. Contudo, ainda não se sabe qual será de fato o futuro do ex-jogador do Santos, Milan, Manchester City, entre outros.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Robinho quer retornar ao Santos

Ainda não se sabe o que o futuro aguarda para Robinho. Contudo, o ex-jogador já tem ideia do que quer fazer caso consiga liberdade. De acordo com informações divulgadas pelo Portal dos Times, ele tem o sonho de voltar ao Santos, desta vez como diretor.

A ideia é ajudar sua equipe do coração a conquistar um título que faltou em sua galeria como atleta: a Libertadores da América. Depois de três passagens pelo time da Vila Belmiro, ele não conseguiu levantar o troféu mais importante do continente.  

Ainda no início de sua carreira dentro dos gramados, Robinho foi vice-campeão da Libertadores com o Santos, em 2003. O grande campeão daquela edição  foi o Boca Juniors.