Revelado porque São Paulo topou manter James Rodríguez

Depois de pedir para sair do São Paulo, o meia James Rodríguez mudou de ideia e acabou optando por ficar no Tricolor. O atleta de 32 anos conversou com o elenco, diretoria e comissão técnica, pedindo desculpas pela confusão e reafirmando seu desejo em permanecer no Morumbis.

A atitude do colombiano agradou Muricy Ramalho, que é o atual coordenador técnico do clube. Nesta terça-feira (20), ele concedeu uma entrevista ao canal dos jornalistas Arnaldo Ribeiro e Eduardo Tironi, e revelou alguns detalhes da mudança de visão do jogador.

“(O clima) Não ficou bom quando ele não foi para Belo Horizonte (na final da Supercopa). Ficamos sentidos, mas ele pediu desculpas. É importante. Ele quer jogar no São Paulo. Como ele nunca se afastou dos treinamentos, nunca criou caso, sempre cumpriu os horários, é muito gente boa com os companheiros e com a gente, nós entendemos o pedido de desculpas”, iniciou.

O ex-treinador disse que torcia por um desfecho positivo entre James e o São Paulo. Contudo, ele deixou claro que a palavra final estava com a comissão técnica de Thiago Carpini, que iria decidir se iria ou não utilizá-lo. Por sinal, James chegou a ter uma conversa com o atual treinador.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

“Não dá para deixar de lado um craque como esse. Essa sempre foi minha opinião no São Paulo. Quem decide sempre são os técnicos. Mas eu tenho que dar a minha opinião. Ele conversou com o treinador, pediu desculpas. Eles se entenderam”, continuou Muricy.

James continuou focado nos treinos mesmo após pedir para sair

Em 14 partidas disputadas desde que desembarcou no SPFC, no final de julho do ano passado, James marcou um gol e distribuiu três assistências. Mesmo após pedir para rescindir seu contrato, ele jamais deixou de se esforçar nos treinamentos diários no CT da Barra Funda, contou Muricy.

“ Se nesse tempo ele estivesse se portando mal no dia a dia, cometido algum ato de indisciplina, não treinasse com vontade, não cumprisse horários, aí não teria chance nenhuma de resolver o assunto. Como foi um pedido dele e, por ele ter se portado muito bem no período que ficou fora do time, a gente aceitou”, finalizou o dirigente.