Quase oficial: Torcida que brigar fará o time ser castigado pela CBF

Visando o combate a violência gerada pelas torcidas no futebol, a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) irá deixar as regras dos torneios ainda mais duras. A medida é para diminuir o número de atentados e casos vilentos contra as deeações fora dos estádios. A informação foi divulgada pelo portal UOL Esporte.

A mudança em si ainda não está definida, mas a sugestão do Fortaleza, que sofreu um ataque em seu ônibus dos torcedores do Sport, está sendo considerada. Na ocasião, o clube cearense sugeriu que o padrão da Libertadores da América seja utilizado, ou seja, o time mandante é responsável pela segurança dos visitantes.

“Jogamos com estádio fechado contra o Colo-Colo por atos de sua torcida contra o River longe do estádio”, relembrou o presidente do Fortaleza, Marcelo Paz.

O atentado do Sport voltou as atenções da entidade para este tipo de problema no Brasil. Isso porque os torcedores lançaram bombas, pedras e outros objetos dentro do ônibus do Fortaleza, que estava a cerca de  6km de distância da Arena Pernambuco. Diversos jogadores ficaram feridos.

“CBF tem tratado tudo que é crime no futebol de forma incisiva. A CBF vai colocar no Regulamento Geral de Competições cláusulas que sejam bem contundentes com relação a esse tipo de violência, assim como fizemos penas muito forte em relação ao racismo”, comentou o presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Vale destacar que o Sport foi punido pelo STJD com partidas sem torcida (portões fechados). Foi um marco novo para o esporte brasileiro, já que a autoridade costuma ter o poder de punir em atos no estádio em si.

O regulamento ainda não foi divulgado de forma oficial. Contudo, ainda de acordo com o mandatário da CBF, o departamento jurídico da entidade está analisando alternativas e regras a serem impostas junto ao STJD

“Não deve ter fronteira. A delegação tem de chegar a salvo no estádio por conta desse tipo de terrorismo, tem que haver mais punições”, disse Ednaldo Rodrigues.