Palmeiras quebrou contrato e vai ter que pagar R$ 70 milhões a patrocinador

De acordo com informações divulgadas pelo portal Globo Esporte, o Palmeiras foi condenado a pagar mais de R$ 70 milhões à Samsung. O montante é cobrado devido a quebra de contrato ainda em 2010, quando a empresa patrocinava o clube. A decisão ainda não é definitiva.

A ação está “de pé” desde 2010, quando o Palmeiras disse à empresa que iria encerrar o vínculo, que era válido até o final do ano seguinte. Na ocasião, o Alviverde voltaria a ser patrocinado pela Fiat. O acordo assinado em 2009 rendia cerca de R$ 15 milhões por temporada, enquanto o da Fiat era de R$ 26 milhões por um ano e meio.

Em 2021, o martelo foi batido em primeira instância. Foi acordado que o Palmeiras deveria pagar R$ 3,5 milhões pela rescisão, R$ 9 milhões pela quebra de confidencialidade e R$ 4,75 milhões por danos materiais.

Leila já javia comentado sobre a dívida anteriormente

O clube recorreu da decisão e retirou o pagamento por danos materiais. Contudo, o total de R$ 12,5 milhões tiveram que passar pela correção monetária e juros, o que totalizou a dívida para R$ 71 milhões, chegando a R$ 79,5 milhões contando os honorários. 

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Em entrevista ao ge concedida em janeiro, Leila já havia citado o caso e mencionou o valor de “mais de R$ 50 milhões”. A cada tempo que passa, o montante é corrigido.

“A última vez que o Palmeiras rompeu unilateralmente um contrato de patrocínio, e não foi na minha gestão, hoje tenho um processo judicial de mais de R$ 50 milhões. Temos de ser responsáveis, não estou aqui para aparecer com discurso bonito para torcedor e imprensa. Todas as questões de patrocínio são simples. Tenho que cumprir o contrato. Com qualquer patrocinador”, disse Leila.