Ministra do Governo Lula se manifesta sobre libertação de Daniel Alves

Nesta segunda-feira (25), Daniel Alves deixou a prisão depois de 14 meses. O brasileiro teve seu pedido de liberdade condicional aceito pela Justiça espanhola, e realizou o pagamento de uma fiança avaliada em 1 milhão de euros (cerca de R$ 5,4 milhões na cotação atual). 

A liberação do ex-jogador da Seleção Brasileira causou uma reação negativa da maior parte das pessoas. A ministra da Mulher, Cida Gonçalves, se procurou oficialmente em relação à soltura provisória do brasileiro em Barcelona. Segundo ela, a ação foi um “equívoco” das autoridades.

“Cinco milhões compra a liberdade de estuprador julgado e condenado por estupro. Ele é condenado por estupro. Segundo, é o corpo e a palavra da mulher que está sendo mais uma vez violada, mais uma vez sofrendo as consequências disso”, iniciou.

Para Cida, Daniel deveria ter sido mantido no Centro Penitenciário Brians II para cumprir sua pena. Ele foi condenado em fevereiro a quatro anos e seis meses de prisão por estupro cometido no final de 2022, mas tanto ele quanto a defesa da vítima recorreram da decisão.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

“Eu acho que foi um equívoco, não posso julgar o que aconteceu na Espanha, mas ele deveria cumprir a sua condenação na prisão”, concluiu a ministra do Governo Lula. 

Daniel Alves terá que seguir algumas regras após sair da prisão

Além do pagamento da fiança, o brasileiro teve seus dois passaportes (brasileiro e espanhol) apreendidos pela Justiça. Isso porque ele garantiu que não iria fugir ao Brasil, país onde a extradição de condenados não é permitida.

Daniel deverá respeitar uma distância de um quilômetro e não poderá entrar em contato com a vítima por nove anos e meio. Ele também deverá se apresentar ao Tribunal de Barcelona semanalmente.