Luciano encerra ciclo no São Paulo com grande decepção

Apesar de ter conquistado a Supercopa Rei e de ter quebrado o tabu de nunca ter vencido na Neo Química Arena, o São Paulo não vem agradando seus torcedores nos últimos jogos. Isso porque a equipe comandada pelo técnico Thiago Carpini não sabe o que é vitória há três partidas. Destas, perdeu duas e empatou uma.

Além do time no geral, o atacante Luciano não vive um bom momento. Apesar de ter estreado na temporada com um gol, o jogador caiu de produção e até agora não vem tendo o destaque esperado pelos são-paulinos.

Segundo o jornalista Guilherme Mirra, o camisa 10 está praticando menos com bola em relação aos anos anteriores. Considerando os cinco técnicos que passaram pelo SPFC desde a chegada de Luciano, o atleta tem seus piores números com Carpini. Confira:

  • Diniz: 49,5 ações/jogo e 0,82 participações em gol/jogo
  • Crespo: 42,4 ações/jogo e 0,38 participações em gol/jogo
  • Ceni: 47,6 ações/jogo e 0,56 participações em gol/jogo
  • Dorival: 53,3 açõe/jogos e 0,54 participações em gol/jogo
  • Carpini: 42,5 ações/jogo e 0,16 participações em gol/jogo

Carpini quer Luciano mais perto da área

Uma das maiores qualidades de Luciano é sua movimentação saindo da área. Não é de hoje que o camisa 10 recua para receber a bola no meio de campo, por exemplo. Todavia, Carpini quer que ele esteja cada vez mais perto do gol adversário. 

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

“É uma coisa que eu tenho cobrado muito do Luciano, de ele ter um pouco de paciência e estar mais próximo da área. É um cara com um poder de definição, uma capacidade técnica de ser decisivo em determinados momentos do jogo. Mas às vezes ele tem uma ansiedade quando a bola não passa por ele de vir próximo do volante, e aí ele fica muito distante dessa aproximação [da área adversária]”, disse o técnico, em entrevista após o empate contra o Red Bull Bragantino.

A orientação pode estar afetando o atleta, que não recebe tantas bolas como anteriormente. Isso também por conta do estilo de jogo do treinador, que aposta em bolas longas, ou seja, sem muita criação no meio.