Justiça negou que Daniel Alves estava embriagado e complicou sentença

Detido desde janeiro de 2023, acusado de agressão sexual a uma jovem de 23 anos na Espanha, o ex-lateral Daniel Alves, de 40 anos, foi condenado pela Justiça do país europeu a quatro anos e meio de prisão nesta quinta-feira (22). A sentença, considerada histórica, coube a juíza Isabel Delgado Pérez, da 21ª Seção da Audiência de Barcelona.

Além do período em cárcere, também foi imposto ao brasileiro cinco anos em liberdade vigiada a ser cumprido depois da pena inicial. Ele deve se manter afastado da denunciante por pelo menos um quilômetro e não entrar em contato com a mesma. Tanto a acusação como a defesa podem entrar com recurso da decisão nos próximos dias.

“O tribunal considera provado que ‘o acusado agarrou abruptamente a denunciante, a jogou no chão e, a impedindo de se mexer, a penetrou pela vagina, apesar de a denunciante ter dito que não’. E entende que ‘isso cumpre o tipo de ausência de consentimento, com uso de violência, e com acesso carnal'”, diz um trecho da sentença.

O assunto, é claro, repercurtiu na imprensa da Espanha e de muitos países que acompanharam o caso de perto. Muitos veículos consideraram a pena dada a Daniel Alves mais “branda” do que a esperada. Antes do julgamento, realizado no início do mês, a expectativa era de que o ex-São Paulo pegasse entre 9 e 12 anos de prisão.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Mas sua defesa apresentou uma série de atenuantes que poderiam amenizar a pena. Somente um deles foi aceito pela Justiça: reparação de dano via pagamento de 150 mil euros (R$ 801 mil), realizado antes mesmo das sessões de julgamento. Já a atenuante de intoxicação alcoólica por parte do jogador não foi levada em consideração.

Por fim, se curtiu a matéria não deixe de acessar com frequência o Portal do São Paulino.