Juninho Paulista rasga elogios para gestão de Casares no São Paulo

No último domingo (21), o ex-jogador Juninho Paulista, que conquistou a Libertadores e o Mundial de Clubes de 1993 pelo São Paulo, deu uma entrevista ao programa CNN Esportes S/A. Na conversa, ele comentou sobre a atual gestão do presidente Júlio Casares e as dificuldades que o clube vem passando.

“O São Paulo veio com muitos problemas, então é difícil você ter uma gestão, com as suas ideias, uma gestão limpa tendo resquícios de passados, tendo muitos problemas para resolver […] eu não sei profundamente [sobre a gestão do Casares]”, iniciou.

Júlio César assumiu a presidência do São Paulo em janeiro de 2021, se tornando o sucessor de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. Por enquanto, conquistou o Campeonato Paulista de 2021, Copa do Brasil de 2023 e a Supercopa Rei neste ano. Sem oposição, se reelegeu como mandatário em dezembro do ano passado. Seu mandato é válido até o final de 2026.

“Olhando de fora, o Casares vem fazendo uma belíssima administração. Ele vem se preocupando também com o passado, deixando o clube mais saudável para futuramente, quem vier encontrar uma situação muito melhor do que ele encontrou. Então essa é a visão que eu tenho de fora”, comentou.

Vale destacar que o Tricolor também realizou uma mudança no estatuto, algo que também foi pauta da conversa de Juninho no programa da CNN. Ele concordou com as mudanças realizadas até agora, mas tocou no assunto da remuneração dos dirigentes, o qual ele se mostrou ser a favor.

“Parece que o São Paulo mudou no estatuto dos seus dirigentes serem remunerados. É o caminho, porque eu também não concordo com associações onde a pessoa dedica 2, 3 anos da sua vida, no caso do presidente e seus diretores estatutários, eles dedicam o tempo deles para essa associação. Nada mais justo do que ser remunerado”, disse Juninho.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

São Paulo pode se tornar uma SAF?

As SAFs (Sociedades Anônimas de Futebol) vem se tornando uma “febre” no Brasil, e diversos clubes já aderiram ao modelo de clube-empresa, tais como Cruzeiro, Botafogo, Vasco, entre outros. No Tricolor, a ideia ainda está em estágio embrionário, mas na visão de Juninho, seria uma mudança válida.

“Eu acredito que a SAF tem que vir para melhorar o clube. Agora, se o clube é saudável e consegue ter os seus compromissos cumpridos dentro de uma associação, talvez não tenha essa necessidade de ser uma SAF de imediato, mas precisa ser profissionalizado”, concluiu o ex-jogador.