Julio Casares se pronuncia sobre paralisação do Brasileirão

Por conta das chuvas no Rio Grande do Sul, o São Paulo iniciou um projeto de arrecadação ao povo gaúcho. Nesta quinta-feira (9), o presidente Julio Cesar marcou presença no Morumbis e viu de perto a campanha.

As doações acontecem de segunda a sexta, das 9h (de Brasília) às 19h, e aos sábados e domingos, das 10h às 17h, no portão 5 do Estádio do Morumbis (Av. Jules Rimet, 300). Os voluntários podem ajudar com alimentos não perecíveis, água, roupas, produtos de limpeza.

Vale destacar que os times gaúchos da Série A, como Internacional, Grêmio e Juventude, tiveram seus jogos adiados pela CBF até o dia 27 de maio. Além dos torneios nacionais como Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil, a Conmebol também suspendeu os duelos por competições internacionais. No caso, o Tricolor está disputando a Libertadores da América e o Colorado a Copa Sul-Americana. Diante de muitos pedidos pela paralisação geral do futebol brasileiro, Julio Casares falou sobre o assunto:

“Acho que essa é uma tese normal. Os clubes não têm o poder da decisão. Já houve uma paralisação dos clubes do Sul. Já houve todo um oferecimento da parte do São Paulo, Palmeiras e Flamengo de estrutura se precisar. A questão é da CBF”, comentou.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Casares defendeu criação de uma Liga e união entre os clubes

Junto a isso, o mandatário são-paulino aproveitou para falar sobre a união dos clubes visando o bem-estar de todos. Ele frisou a importância da criação de uma Liga, ou seja, a Libra e a União Forte Futebol.

“Os clubes talvez aproveitando esse péssimo momento possam ter uma reflexão maior do que é a Liga. Parar de ter Libra e União Futebol Forte. Está todo mundo na mesma mesa. Se tivesse Liga agora seria mais fácil a decisão. Estamos ainda sob CBF e Conmebol. A Conmebol não tem a menor possibilidade de discutir a paralisação. Fica um apelo aos dirigentes, estou disposto a conversar com qualquer um. Vamos fazer a Liga, tirar do papel”, completou.