John Textor será julgado pelo STJD nesta segunda (15)

Depois de estampar as capas dos principais jornais esportivos do país no início deste mês, ao voltar a insinuar um grande esquema de manipulação de resultados favorável ao Palmeiras no Brasileirão, o empresário norte-americano John Textor, de 58 anos, terá de enfrentar o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

Denunciado pelo órgão por não apresentar provas da possível manipulação, o dono da SAF do Botafogo será julgado nesta segunda-feira (15) na primeira comissão disciplinar do tribunal. Se condenado, pode ser suspenso e pagar multa. O dirigente do clube carioca responderá por dois artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva.

  • Artigo 220-A, inciso I: Deixar de colaborar com os órgãos da Justiça Desportiva e com as demais autoridades desportivas na apuração de irregularidades ou infrações disciplinares. Pena: multa de R$ 100 a R$ 100 mil, com fixação de prazo para cumprimento da obrigação.
  • Artigo 223: Deixar de cumprir ou retardar o cumprimento de decisão, resolução, transação disciplinar desportiva ou determinação da Justiça Desportiva. Pena: multa de R$ 100 a R$ 100 mil. Parágrafo único. Quando o infrator for pessoa natural, a pena será de suspensão automática até que se cumpra a decisão, resolução ou determinação, além de suspensão por noventa a trezentos e sessenta dias e, na reincidência, eliminação.

Textor iniciou suas insinuações contra o Palmeiras ainda no ano passado, quando o Alviverde superou o Botafogo na luta pelo título do Brasileirão. Neste mês, ele voltou a atacar o rival e afirmou, novamente sem provas, que atletas de Fortaleza e São Paulo manipularam os jogos contra o time comandado por Abel Ferreira.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Antes, no início de março, Textor concedeu entrevista na qual afirmou possuir gravações de árbitros reclamando do não recebimento de propinas prometidas. A Procuradoria do STJD, então, solicitou a abertura de inquérito para apurar as afirmações. Como não apresentou tais provas, o dirigente enfim será julgado pelo órgão.

Por fim, se curtiu a matéria não deixe de acessar com frequência o Portal do São Paulino.