Jogador do São Paulo foi servente de pedreiro antes do sucesso

Dentre diversas histórias de superação dos jogadores do São Paulo, a do zagueiro Diego Costa acaba chamando a atenção. Em entrevista ao UOL, o zagueiro criado e formado nas categorias de base relembrou algumas das dificuldades que precisou passar até chegar no tricampeão mundial.

Diego nasceu em Campo Grande (MS), e iniciou sua trajetória aos 12 anos, realizando testes em diversos clubes do país como Cruzeiro e Corinthians. Depois de não ter sucesso, começou, junto a seu padrasto, a trabalhar como servente de pedreiro em Presidente Prudente, no interior paulista. Após juntar dinheiro, ele voltou a sonhar em ser um atleta profissional de futebol. 

“Voltei para Campo Grande pensando em desistir. Não queria saber muito de futebol, estava chegando em uma idade [ruim]. Comecei a trabalhar com meu padrasto e apareceu mais uma oportunidade. Ele disse para eu tentar fazer essa viagem, que seria para o interior de São Paulo para alguns testes. Aí, a gente começou a trabalhar, eu trabalhava de ajudante de servente de pedreiro para conseguirmos o dinheiro das viagens. A gente conseguiu o dinheiro, fui fazer os testes e fui para o Grêmio Prudente”, revelou.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Gol contra o Corinthians levou Diego Costa ao São Paulo

Diego se tornou um dos pilares daquele time, e começou a ser observado de perto por equipes de maior poder econômico. Por sinal, disputou a Copinha de 2015, quando o time foi um dos destaques.

No mata-mata, acabou perdendo para o Corinthians, mas deixou sua marca e anotou um gol de cabeça contra o Alvinegro. Foi sua última partida pelo Grêmio Prudente, e dali para cá, só vestiu a camisa do SPFC.

Passando por Cotia e promovido ao time profissional, Diego Costa se tornou uma peça importante no Tricolor praticamente dez anos depois. Chegou a ser capitão com Rogério Ceni, e atualmente retomou a titularidade com Thiago Carpini. Já levantou o Campeonato Paulista (2021), Copa do Brasil (2023) e Supercopa Rei (2024).

“Hoje, eu falaria para [o Diego adolescente] continuar focando no trabalho e se dedicando, mesmo que às vezes, no futebol, não são 100% das coisas que dão certo. Mas o trabalho e a perseverança sempre se sobressaem sobre todas as coisas”, finalizou Diego.