Goleiro Rafael não esconde a emoção na chegada a Seleçao Brasileira

O goleiro Rafael, do São Paulo, talvez tenha sido uma das maiores surpresas desta primeira convocação de Dorival Júnior. O arqueiro de 34 anos defenderá a Seleção Brasileira principal pela primeira vez na sua carreira após um ótimo ano de 2023 pelo São Paulo, que culminou na conquista da Copa do Brasil.

Além da oportunidade de representar seu país, Rafael também trabalhará com Taffarel, seu ídolo de infância e campeão do mundo pelo Brasil em 1994. Em entrevista ao portal UOL, o arqueiro do Tricolor falou sobre esta oportunidade de ouro.

“Marcou gerações, dispensa comentários. Na minha era, estimulou todos os goleiros a serem goleiros. Eu tinha 5 anos quando via ele pegando pênalti e sendo campeão do mundo. Aquela coisa de Rafael-Taffarel, estou com uma expectativa muito grande, não só por ser uma referência profissional, mas como quem conquistou tudo que conquistou, vai ter muita coisa para me ensinar e eu estou aberto para tudo que eu puder com ele”, disse o jogador.

Apesar de ter sua primeira convocação para o time principal, Rafael já atuou pelo sub-20 do Brasil. Em 2009, ele foi campeão sul-americano, além do vice da Copa do Mundo da categoria citada. Ele foi o goleiro menos vazado e pegou duas penalidades na decisão contra Gana.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Expectativas de ser titular

Perguntado sobre suas expectativas de começar algum dos amistosos como titular, Rafael deixou a tarefa para o técnico Dorival Júnior, com quem trabalhou no MorumBis no ano passado. 

“Penso no que eu posso controlar e é minha dedicação dentro de campo. Quem escala é o treinador sempre. Todo mundo que está indo para lá tem condições de jogar e desempenhar um grande papel. Eu vou para fazer o meu melhor, deixar uma boa impressão”, continuou.

O Brasil entra em campo neste sábado (23), diante da Inglaterra, em Wembley. Três dias depois (26), a delegação viaja a Madri para duelar contra a Espanha, no Santiago Bernabéu.

“Nada maior do que colocar o escudo do Brasil no peito e representar seu país. Vou voltar a ter essa sensação, que é algo surreal. Estou com expectativa muito grande desse dia chegar logo. Poder crescer e vivenciar aquilo é mágico. Por mais que sejam dois amistosos, vão ser dois de início de trabalho que vão ser a base para a Copa”, finalizou Rafael.