Fernando Diniz passa vergonha de novo e Dorival pode ser chamado às pressas pela CBF

Nesta terça-feira (21), a Seleção Brasileira foi derrotada por 1 a 0 pela Argentina, em pleno Maracanã, instaurando uma crise com seus torcedores. Na parte final do duelo, os brasileiros presentes no estádio cantaram “time sem vergonha”.

A situação vai de mal a pior para Fernando Diniz, que chegou a três derrotas consecutivas nas Eliminatórias para a Copa do Mundo. Além disso, o Brasil é apenas o sexto colocado na tabela de classificação.

Em meio aos péssimos resultados recentemente, o nome de Dorival Júnior voltou a ganhar força para assumir a Amarelinha. Pelo menos na visão do técnico Antônio Carlos Zago. Em participação no programa Domingo com Benja, o ex-atleta comentou que o treinador do São Paulo é o nome ideal.

“Na minha opinião, quem deveria ser o técnico da Seleção Brasileiro é o Dorival Júnior, pela experiência. Acho que não precisamos do Fernando Diniz como interino. Temos um treinador super experiente que é o Dorival. É o treinador mais pronto em termos de experiência, vivencia e relacionamento com jogadores também”, cravou.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Ednaldo Rodrigues já confirmou interesse em Dorival

Anteriormente, o próprio presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, havia admitido que Dorival estava no radar da Seleção. Contudo, a decisão da entidade foi nomear Fernando Diniz enquanto aguarda pelo italiano Carlo Ancelotti.

“Temos visto o trabalho deles e de outros treinadores, que às vezes não citamos, mas são competentes. As pessoas dizem que o Abel está fora porque briga com a imprensa e com o árbitro, mas não é. Eu entendo que ele tem uma competência pelo trabalho dele, e os números mostram isso. O Diniz da mesma forma, o Dorival também. A CBF tem o interesse de chegar para vencer uma Copa do Mundo e não apenas participar”, disse Ednaldo, em entrevista a Bandeirantes.

Caso Ancelotti resolva não trabalhar no Brasil, a CBF deve buscar um novo nome, que pode ser o próprio técnico do São Paulo, do Palmeiras, ou outro estrangeiro.