Fechou: São Paulo acerta a contratação de ponta direita gringo

O São Paulo continua seu projeto de contratar promessas de outras nacionalidades. Não é de hoje que o clube vem apostando em jovens de diferentes partes do mundo, sejam da América do Sul ou até da África.

Recentemente, o clube fechou a contratação de Ganael Gary, haitiano de somente 18 anos de idade, para compor as categorias de base de Cotia. O atleta é nascido no Carrefour, no subúrbio de Porto Príncipe, e terá a maior chance de sua vida no Tricolor. Defendeu a base do Grêmio até completar 17 anos de idade. Posteriormente, passou pelo Novo Hamburgo e União do Sul. 

“Os planos de Deus, ninguém impedirá! Estou muito feliz por estar realizando o sonho de vestir a camisa do único clube brasileiro campeão de tudo.Obrigado pela oportunidade”, disse o atleta através de suas redes sociais.

A paixão pela bola de futebol vem desde criança. Alexandre Zanquetta, do Blog do São Paulo, contou que o jovem tinha pouco acesso à escola, e que sua maior diversão era jogar futebol, mesmo que com papel amassado ou latinhas. Acabou se interessando também pelo atletismo.

“ Ele jogava futebol na rua. Não tínhamos dinheiro para colocá-lo nas escolas de futebol. As pessoas chamavam ele para jogar, até pagavam para ele, porque sabiam que ele era muito bom”, disse Jean Jacques, cunhado do jogador.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Família veio ao Brasil para melhorar condições de vida

Foi justamente por sua influência que Ganael veio ao Brasil. Sem emprego no Haiti, decidiu migrar para encontrar melhores condições de vida. Inicialmente, viveu em Porto Alegre através de dinheiro emprestado com o irmão, em 2016. Arrumou um emprego limpando igrejas, trazendo toda a família consigo depois. 

Primeiro, chegaram a esposa Rosebertha Baselais (madrasta de Ganael) e os três filhos mais novos, Nyelmaga, de sete anos, Gamael, três, e Roberta, um ano. O jogador desembarcou no Brasil em 2019, mais precisamente em julho.

“A vida lá no Haiti estava muito difícil. Não conseguia emprego, era difícil para as crianças estudarem. Gosto muito aqui do Brasil. Consegui dois empregos, trouxe a minha família e encontramos pessoas que estão nos ajudando muito”, disse Jean Jacques.