Falou mal do São Paulo e depois foi mandado embora do Grêmio

Depois de se despedir do São Paulo, o ex-volante Maicon encontrou sua melhor forma nos anos seguintes defendendo o Grêmio, tendo conquistado a Libertadores como principal título. Depois de ter “provocado” o torcedor são-paulino, seu final de carreira foi bem diferente do esperado.

O atleta deixou o Grêmio após divergências com a diretoria e foi parar no CRB, de Alagoas. Disputou apenas sete partidas pelo clube alagoano, e não conseguiu o mesmo sucesso, anunciando a aposentadoria após a experiência.

Maicon se tornou ídolo gremista pelas conquistas da Copa do Brasil em 2016 e da Libertadores do ano seguinte. Atuou em 208 jogos no total, acumulando 14 gols. Foi o capitão por um bom período.

Contudo, a relação com o clube foi se desgastando. Em entrevista à Rádio Gaúcha, o ex-volante contou um pouco sobre sua despedida do Grêmio. Segundo ele, suas cobranças, que eram para o “melhor do clube”, nem sempre eram bem aceitas pela diretoria e pelo então presidente.

 “Foi uma decisão da diretoria. Eles entenderam que era hora de me mandar embora porque eu era o chato da história. Eu cobrava, pois eu sempre queria o melhor para o clube. Eu era o chato porque falava a verdade para o presidente ou quem quer que fosse. O final da história que será contada é que foi rebaixado. Eu cobrava e algumas pessoas se incomodavam.O problema é que eu incomodava, porque eu queria o melhor para o clube”, disse.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Passagem pelo São Paulo e processo contra o clube

Antes de jogar pelo Grêmio, Maicon defendeu a camisa do São Paulo entre 2012 e 2015. O atleta nunca chegou a ser um xodó da torcida, e era constantemente cobrado pela falta de comprometimento, segundo a torcida. Mesmo assim, foi titular do time comandado por Muricy Ramalho, tendo atuado em 161 duelos e marcando nove gols. 

Depois de sair do Tricolor do Morumbi, venceu um processo contra o clube em 2020, por conta da falta de pagamento de adicionais noturnos e de atividades realizadas aos domingos e feriados. Depois de sofrer ainda mais críticas dos são-paulinos, usou as redes sociais para desabafar, pedindo menos “mimimi” e pedindo que cobrassem “quem administra seu clube que parou no tempo”.