Dirigente do Corinthians decide apoiar o São Paulo

Recentemente, o dono da SAF do Botafogo, John Textor, causou muita polêmica ao afirmar que o Campeonato Brasileiro de 2023 teria sido manchado por esquemas de manipulação de resultados. 

Depois de São Paulo, Palmeiras e a própria Federação Paulista de Futebol (FPF) lançarem notas oficiais sobre as falas do norte-americano, foi a vez do Corinthians se posicionar através do Romeu Tuma Júnior, presidente do Conselho Deliberativo do clube. Em entrevista ao programa “+3 Pontos“, do “Esporte na Band“, o cartola prestou solidariedade aos rivais da capital paulista, além de criticar a atitude de John Textor sem a apresentação de provas concretas.

“Recebi com muita tristeza. Entendo que aqueles que dirigem instituições como os clubes do futebol brasileiro não podem agir como torcedores. Temos nossas emoções, somos também torcedores, mas temos que agir com muita razão e separar a figura do torcedor da do dirigente e ter responsabilidade. Já prestei solidariedade aos presidentes dos Conselhos Deliberativos de Palmeiras e São Paulo. Acho uma irresponsabilidade total o que ele fez, até porque não vi até agora nenhuma prova, e se ele as tivesse teria que entregá-las para as autoridades competentes, e me parece que ele não fez isso e tampouco as têm de fato”, iniciou.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Complementando sua fala anterior, Romeu chamou Textor de “amador”, criticando a sua gestão, sempre lembrando que o Botafogo implementou o sistema de SAF (Sociedade Anônima do Futebol) há cerca de dois anos. Por outro lado, o norte-americano está convicto que houve um esquema de manipulação que favoreceu o Palmeiras no Brasileiro do ano passado.

“Estamos num momento em que os clubes têm se esforçado ao máximo para agir com profissionalismo, independentemente de terem funções profissionais, de receber salários. Quando você vê uma atitude dessa, de um dirigente que é dono de um clube, profissional, é uma irresponsabilidade daquele que teria obrigação de agir como empresa, como dono de uma SAF. É muito contraditório pregarmos a profissionalização dos clubes e um profissional do mercado, dono de uma instituição como o Botafogo, de muitas tradições, agir como se fosse um amador”

Antes de deletar suas contas nas redes sociais, John Textor garantiu que entregou suas provas à Polícia Civil, que dará início às investigações. O empresário será julgado pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) e poderá ser suspenso por conta das acusações.