Deu na Record: Daniel Alves tenta recuperar R$ 140 milhões

Preso de maneira preventiva após acusação de estupro contra uma mulher de 23 anos, Daniel Alve segue com situação complicada. O brasileiro será julgado em fevereiro e pode pegar uma pena máxima de 12 anos de cadeia.

Por outro lado, ele ainda enxerga esperanças de receber pelo menos uma notícia boa. Isso porque ele entrou com uma ação judicial contra um amigo, que se recusa a devolver diversos itens do jogador.

Há dois anos, quando foi jogar no Pumas, do México, Daniel deixou alguns pertences e objetos de valor a um amigo, que jamais foram devolvidos até hoje. O valor total seria de R$ 140 milhões, e inclui obras de arte de artistas como Romero Britto, Luiz Franca e Oswaldo Verano, além de escultura de esmeralda, instrumentos musicais, joias, relógios e uma Land Rover.

Depois de ser preso, Daniel pediu os bens de volta, dizendo que estava passando por “dificuldades financeiras” depois de perder diversos patrocínios. Contudo, o amigo não demonstrou nenhuma reação e manteve os bens.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

De acordo com os advogados  Márcio Crociati e Maurício Junior Hora, que fazem parte da defesa de Daniel no processo, disseram que o réu estaria  “torcendo para que não saia da atual situação em que se encontra hoje, encarcerado em outro país”, visando manter os objetos e joias.

Possível pena de Daniel Alves

Enquanto isso, o brasileiro segue aguardando seu julgamento, que será realizado entre os dias 5 a 7 de fevereiro. Enquanto a defesa da vítima pede uma pena de 12 anos, ou seja, a máxima para este tipo de crime, o Ministério Público pediu nove anos.

Além do tempo que ficará preso, o brasileiro, caso julgado culpado, fará um pagamento de 150 mil euros (cerca de R$ 800 mil) por danos físicos e psicológicos a mulher.