Daniel Alves DESAPARECE de instituto

O ex-lateral do São Paulo Daniel Alves deixou de fazer parte do noticiário esportivo para virar manchete nas páginas policiais. O ex-jogador do tricolor paulista foi preso, acusado de ter cometido estupro contra uma mulher, em uma boate em Barcelona, na Espanha.

E agora um novo capítulo na situação do jogador acabou de acontecer. Aqueles que transitam diariamente pela avenida Beira-Rio em Lauro de Freitas, situada na região metropolitana de Salvador, percebeu uma atividade incomum no Instituto DNA nas últimas semanas. A enorme fotografia e o nome do jogador desapareceram da fachada da organização não governamental, que adotou o novo nome de Instituto Liderança.

A modificação na placa indica uma transformação na atitude da instituição em relação ao seu patrono. No dia 20 de janeiro, quando Daniel Alves foi detido sob acusações de agressão sexual a uma jovem de 23 anos, o Instituto DNA emitiu um comunicado no qual reforçou sua “a confiança na marca e no comportamento ético e sua conduta ilibada”. Além disso, comprometeu-se a prosseguir com suas atividades, fundamentadas em “todos os seus valores voltados à família e à construção de um mundo melhor”.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Julgamento de Daniel Alves vai acontecer na Espanha

O veredito definitivo do sistema judiciário espanhol irá determinar se Dani Alves será considerado culpado, o que poderá resultar em uma sentença variando de 4 a 12 anos de prisão. As acusações contra ele se referem a um suposto crime de agressão sexual contra uma mulher, o fato aconteceu em uma casa noturna, localizada em Barcelona, em dezembro de 2022.

A audiência judicial de Daniel Alves foi marcada para a temporada de outono na Espanha, programada para ocorrer entre os meses de outubro e novembro de 2023, conforme relatado pelo El Periodico. Enquanto isso, o jogador permanecerá detido na penitenciária de Brians 2, localizada em Barcelona, uma vez que suas recentes solicitações de liberdade provisória foram rejeitadas nas últimas semanas.