Ceni dá uma cornetada em venda do São Paulo

Após a vitória do São Paulo por 3 a 1 em cima do Bahia no último domingo (30), Rogério Ceni falou sobre diversos assuntos com a imprensa na coletiva pós-jogo.Ele comentou sobre o reencontro com a torcida e ainda avaliou o acordo da venda dos naming rights do estádio são-paulino.

Sempre legal, o Morumbi é um estádio fantástico. Para mim é Morumbi e sempre será Morumbi. Sempre um encontro bacana, legal, e, claro, que venho sempre para vencer. Tentei fazer o meu melhor, infelizmente hoje não fizemos um jogo ruim, mas não estivemos próximos da vitória. Falhas defensivas e longe da inspiração ofensiva”, comentou.

Vale lembrar que o São Paulo fechou um acordo de três anos com a Mondelez pela troca no nome do Morumbi e se tornou Morumbis, em alusão a marca de chocolate Bis. Ceni foi recebido com muito carinho pela torcida tricolor, que chegou a gritar seu nome durante uma falta perigosa para a equipe comandada por Luis Zubeldía.

“Hoje, se fosse bater, ia chutar para fora, meu time hoje é o Bahia, mas sou grato pelo carinho, história que foi construída aqui, fica para sempre. Vamos tristes para Salvador, mas repito, não é de se jogar fora tudo que foi feito aqui hoje. Tentar salientar de onde o Bahia saiu no ano passado para a atual situação. Isso não deve gerar acomodação. Tentar ser a referência, com o grupo que temos, condições que foram dadas, sem investimento numa janela. Vamos tentar fazer nosso melhor até o final do ano”, prosseguiu o técnico.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Rogério fala sobre vaias a Jandrei

Apesar da vitória, os mais de 49 mil torcedores saíram insatisfeitos com a performance do goleiro Jandrei, que vem sendo bastante criticado pelos são-paulinos nas últimas partidas. Na visão de Ceni, essa atitude da torcida só atrapalha a confiança do atleta.

“Não enxergo de maneira inteligente essa pressão no atleta. Vaiado pelo próprio torcedor. Sei que é um goleiro capacitado, tem belo jogo com os pés. Se querem a confiança do goleiro, tem que dar confiança ao goleiro”, concluiu Ceni.