CBF prejudica o São Paulo e Zubeldía não deixa barato

Neste domingo (16), o São Paulo foi a Itaquera e empatou em 2 a 2 contra o Corinthians, na Neo Química Arena, pelo Campeonato Brasileiro. Lucas Moura e Cacá (contra) marcaram para o Tricolor, enquanto Igor Coronado e Gustavo Mosquito fizeram para os mandantes.

O técnico Luis Zubeldía elogiou a atuação da equipe, apesar de ter se mostrado insatisfeito com o calendário do Campeonato Brasileiro.Isso porque o Corinthians teve dois dias a mais para descansar em relação ao São Paulo.

O Alvinegro jogou na última terça-feira (11), no empate com o Atlético-GO, fora de casa, enquanto o São Paulo entrou em campo dois dias depois, na quinta (13), diante do Internacional, fora de casa. Na visão do treinador argentino, a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) tinha que dar condições iguais aos times antes do Majestoso.

“Não gosto de jogar o clássico com vantagem, eles tiveram dois dias a mais de recuperação, a organização quando se trata de clássicos tem de contemplar que os dois tenham o mesmos dias de preparação. Não gosto disso. Os jogadores foram bem, estivemos duas vezes em vantagem, ficamos alguns minutos com um homem a mais, quando se jogou pouco, mas num clássico tem de chegar os dois times com os mesmos dias de preparação. Somos o São Paulo, não podemos permitir. Isso é para quem organiza”, iniciou, antes de continuar:

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

“Um jogo normal, tudo bem, mas num clássico, não. Depois damos a cara para o nosso torcedor, o jogo representa muito (…) É um tipo de vantagem que não acho justa. – Dito isso, quero felicitar meus jogadores. Viemos como visitantes, ficamos duas vezes à frente do placar, com chances claras, é valorizar o ponto. Mas podíamos ter levado os três, claramente”, completou Zubeldía.

Argentino comentou sobre “cera” do Corinthians

O treinador argentino falou sobre a reta final da partida, na qual o São Paulo estava com um jogador a mais por conta da expulsão do zagueiro Caetano. Para ele, a arbitragem e algumas decisões não favoreceram o andamento da partida em seus minutos finais.

“Não se jogou mais, tiveram alguns lesionados, o árbitro manejando as situações, é difícil aproveitar o homem a mais. Tivemos situações como a do Michel Araújo. E era preciso ter cabeça fria, numa bola parada eles podiam ter a oportunidade. Tivemos dois jogos fora (contra Inter e Corinthians) e a equipe se fez presente”, disse.