CBF divulga escândalo em clássico entre São Paulo e Palmeiras e Daronco pode ser punido

O São Paulo se classificou às semifinais da Copa do Brasil ao eliminar o Palmeiras, na última quinta-feira (13), no Allianz Parque. O confronto terminou com o placar de 2 a 1 para o Tricolor. No entanto a vida do Soberano poderia ter sido mais fácil, caso não fosse um erro de arbitragem cometido pelo juiz da partida, Anderson Daronco.

Isto porque na marca dos 14 minutos do segundo tempo o argentino Jonathan Calleri chegou a balançar as redes para o São Paulo, marcando o gol da virada. O lance iniciou em uma jogada de bola parada onde o atacante Wellington Rato fez um bom cruzamento na cabeça do camisa 9, que escorou para o fundo das redes.

Entretanto antes da bola chegar em Calleri, Daronco viu uma suposta infração do zagueiro Diego Costa em cima do volante Zé Rafael e decidiu anular o gol. No entendimento de muitos torcedores e jornalistas o árbitro se equivocou, uma vez que Diego Costa disputa o lance de forma limpa e natural.

Diante a toda confusão a CBF divulgou o áudio do VAR no momento do acontecimento. No diálogo entre Daronco e o árbitro de vídeo Wagner Reway também há uma controvérsia em relação à marcação de campo. Veja:

“A gente não está vendo um agarrão claro. Eu vou te recomendar uma revisão, Daronco”, afirma Wagner Reway.

Após checagem na cabine de vídeo, porém, Daronco mantém a sua decisão e afirma: “Eu estou vendo o jogador do São Paulo, de número 4, abraçar o corpo do jogador aqui, ok? E esse jogador de verde poderia disputar a bola. Para mim impacta e eu mantenho a minha decisão”.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Qual poderia ser a punição de Daronco pela CBF?

Devido à grave ocorrência no clássico entre São Paulo e Palmeiras, que poderia ter custado a classificação do Tricolor, Daronco tem uma chance mínima de ser punido pela CBF. Em alguns casos semelhantes a entidade já afastou árbitros de partidas e aplicou multas.

Na temporada passada, por exemplo, Daronco foi condenado a pagar R$ 5 mil em cestas básicas para duas instituições de caridades de Belo Horizonte, após uma intimidação ao atacante Hulk, do Atlético Mineiro, durante uma partida contra o São Paulo.