Casares responde sobre o São Paulo virar SAF e sobra até pro Botafogo

Um dos assunto mais comentados dos últimos anos vem sendo a transmissão dos clubes em SAFs (Sociedades Anônimas de Futebol). Diversos torcedores do próprio São Paulo vem apelando para que a diretoria ao menos considere a mudança.

Em entrevista ao podcast “Casão Pod Tudo”, o presidente do São Paulo, Julio Casares, foi perguntado sobre a questão das SAFs no Brasil, e se existe alguma chance do SPFC adotar o modelo nos próximos anos.

“SAF é uma legislação nova que veio para ajudar os clubes e, principalmente, ‘salvar’ clubes que estavam quebrados… Não vou mencionar (os clubes), mas todo mundo sabe… Mas não é o instrumento que vai resolver tudo”, disse.

Casares não se mostrou contra as SAFs, mas também deixou claro que a transformação ainda deve ser “maturada” entre os dirigentes e conselheiros do São Paulo. Não há qualquer chance de mudança a curto prazo.

“Os clubes, todos eles com grandeza, dentro de um sistema, construíram patrimônio. São Paulo, Corinthians, Flamengo, Palmeiras… Não estou dizendo que sou um defensor desse sistema e demonizo a SAF, não, mas o São Paulo tem que observar esse quadro com um pouco mais de tranquilidade. Não sou contra, mas é um processo que temos que maturar”, complementou.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Casares ironiza John Textor

O mandatário são-paulino admitiu que os clubes conseguiram se organizar melhor financeiramente, mas que ainda tomam algumas decisões precipitadas Por sinal, ele até citou o empresário John Textor, que é o atual dono do Botafogo.

“Dou um exemplo que o Botafogo, que liderou o campeonato, é uma SAF, tem um grande empresário, só que no mesmo campeonato, trocou de técnico cinco vezes. Se somos nós que fazemos isso, os amadores, os associados, voluntários, sei lá, somos excomungados na rua. Mas não, a SAF tem uma proteção ideológica…”, disse o presidente, antes de complementar:

“Eu não posso que amanhã o São Paulo seja vendido, o cara pega meu jogador aqui, fica seis meses, manda para outro time dele da Europa e depois manda para o México”, finalizou.