Casagrande não perde oportunidade, colocando Daniel Alves e Robinho no mesmo patamar

Nesta quinta-feira (22), Daniel Alves foi condenado a quatro anos e seis meses de prisão por estupro. O caso aconteceu ainda no final de dezembro de 2022, quando o brasileiro abusou sexualmente de uma mulher de 23 anos, na boate Sutton, em Barcelona.

Desde o dia 20 de janeiro do ano passado, o lateral-direito cumpre prisão preventiva. A defesa do mesmo irá recorrer (foi julgado em primeira instância pela Justiça da Espanha) pela liberdade.

Vale lembrar que a defesa da vítima havia pedido 12 anos de cadeia para o brasileiro, ou seja, a pena máxima para este tipo de crime segundo a lei espanhola. Por outro lado, o Ministério Público solicitou nove anos. A pena foi bem menor do que o esperado.

Através de sua coluna no UOL Esporte, o ex-jogador Walter Casagrande comentou sobre o caso envolvendo Daniel Alves. Segundo ele, o lateral planejava fugir ao Brasil após liberdade provisória, assim como Robinho, que também foi condenado por estupro.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

“Mesmo assim, foi uma sentença muito pequena em comparação com a violência do crime que cometeu. Daniel já esteve preso há 1 ano por risco de fuga e claramente repetiria o que seu ‘coleguinha’ de seleção e de crime Robinho fez. Ele fugiria para o Brasil na primeira oportunidade que aparecesse e não precisaria de nenhum companheiro de cela para dizer que essa era sua intenção”, disse Casagrande.

Vale lemberar que Robinho foi condenado a nove anos por estupro de uma jovem albanesa na Itália, no período em que defendia o Milan. Contudo, a Justiça brasileira não permite a extradição de condenados no exterior.

“Daniel Alves e Robinho são os dois maiores exemplos da falta de estrutura para lidar com o sucesso, mas um crime desses vem da educação machista com a qual cresceram, como todos os homens brasileiros.Estupro é um crime maligno, cruel, desprezível, covarde, e o autor não passa de um ser repugnante. Mais uma vergonha para o futebol brasileiro, que não para de tomar 7 x 1 dentro e fora do campo”, disse Casagrande.