Carpini elege o maior erro da arbitragem em São Paulo x Palmeiras

Neste domingo (3), São Paulo e Palmeiras empataram em 1 a 1, sob olhares de mais de 55 mil pessoas presentes no MorumBis. Os gols foram marcados por Alisson, ainda no primeiro tempo, e Raphael Veiga, de pênalti, na segunda etapa.

A partida envolveu muitas polêmicas com a arbitragem. Após o fim de jogo, o presidente Julio Casares foi à zona mista para demonstrar sua indignação com o árbitro Matheus Delgado Candançan.

Imediatamente, o técnico Thiago Carpini foi questionado, na entrevista coletiva,  sobre os supostos erros durante o duelo.  O mesmo alegou que o maior erro foi não ter dado cartão vermelho a Richard Rios, que aplicou uma entrada violenta em Pablo Maia. 

“Não vou falar nada [sobre Abel]. Comportamento dos adversários, área técnica, cada um tem a sua opinião, prefiro não externalizar a minha. Não gosto disso, procuro responder perguntas, mas qualquer coisa que eu diga vai virar polêmica. Não vem ao caso o que eu penso”, disse.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Vale destacar que o gol palmeirense saiu de um pênalti muito discutido. Na ocasião, o goleiro Rafael sai da pequena área para afastar a bola com suas mãos, mas acaba acertando o zagueiro Murilo. Pouco tempo depois, Luciano foi derrubado na área por Piquerez, e apesar de ter sido chamado para rever a jogada no VAR, Candançan manteve sua decisão de campo.

“Critérios bem diferentes [nos lances de pênalti]. Para mim, mais que o lance do Rafael e do Luciano, foi o do Ríos. Discernimento da regra, indefere à decisão da arbitragem o desfecho da jogada. Independentemente de ter sido gol ou não, regra tem que ser aplicada. Na minha opinião, foi o maior erro dele. Não adianta ficar batendo na arbitragem, mas não é a primeira vez que temos algum tipo de queixa”, comentou.

Carpini fala da comissão de Abel Ferreira

Outro assunto abordado por Julio Casares foi em relação a atitude da comissão técnica de Abel Ferreira O progugues jpa é conhecido por ter um temperamento mais “quente” durante os 90 minutos. Carpini também comentou sobre a situação.

“Vi em vários momentos toda a comissão [do Palmeiras] na área técnica. Tivemos também, mas de maneira muito menos acintosa. Essa regra de um peso diferente não se aplicou fora de campo”, finalizou.