Calleri revela drama que passa para jogar pelo São Paulo

Nesta quarta-feira (10), o São Paulo bateu o Cobresal, do Chile, por 2 a 1, diante de quase 50 mil pessoas no MorumBis, em duelo válido pela segunda rodada da fase de grupos da Libertadores da América. Na estreia, a equipe comandada pelo técnico Thiago Carpini acabou perdendo por 2 a 1 para o Talleres, em Córdoba.

Ao contrário da partida na Argentina, Jonathan Calleri foi titular contra os chilenos. O atacante, por sinal, foi o autor do segundo gol do Tricolor na partida. De quebra, se tornou o maior artilheiro estrangerio do clube em Libertadores, com 10 gols.

O que poucos sabem é que o camisa 9 fez praticamente de tudo para estar dentro de campo. Ele revelou que ainda não está 100%, mas fez de tudo para ajudar o time e o técnico Thiago Carpini, que estava muito ameaçado de demissão.

“Eu joguei no sacrifício pelo Rogério, pelo Dorival. Eu joguei e vou seguir jogando as vezes que eu puder estar dentro de campo. Por qualquer treinador. Eu vou jogar machucado se for preciso. A confiança que ele (Carpini) tem em nós é a mesma que estamos hoje tentando dar para ele. Não é pelo treinador que está hoje. Eu joguei machucado com o Rogério, joguei machucado com o Dorival. E hoje não estou 100%. A camisa do São Paulo exige estar sempre disponível e eu vou sempre jogar do mesmo jeito, machucado ou não”, disse.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Calleri mantém confiança em Carpini e relembra títulos recentes

Por sinal, Caleri foi escolhido como o capitão do São Paulo na partida em questão. Ele garantiu que o elenco confia no treinador, e relembrou a conquista recente da Supercopa Rei contra o Palmeiras, e da Copa do Brasil, diante do Flamengo.

“Claro que a gente acredita. A gente conseguiu um titulo faz meses. Claro que não estamos jogando da melhor maneira. Faz três meses que ganhamos do Palmeiras. Foi nos pênaltis, mas ganhamos, levantamos a taça. Ganhamos do Flamengo, levantamos a taça. Se seguirmos jogando do mesmo jeito, mas levantando a taça… Claro que seguramente o treinador, da porta para dentro, tem muito a melhorar. Os jogadores têm, também”, comentou.