Calleri, Rafinha e Rato podem não jogar mais no Paulistão pelo São Paulo após decisão do TJD

No último domingo (3), São Paulo e Palmeiras empataram em 1 a 1, em partida muito polêmica no MorumBis. Após o final da partida, dirigentes e jogadores do Tricolor reclamaram muito com a atuação da arbitragem. Justamente por isso, foram denunciados pelo Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-SP) por ofensas ao árbitro Matheus Candançan.

Os jogadores Jonathan Calleri, Rafinha e Wellington Rato, além do presidente Julio Casares, o diretor de futebol, Carlos Belmonte, o diretor adjunto, Fernando Bracalle Ambrogi, conhecido como Chapecó, e o auxiliar técnico, Estéphano Djian podem sofrer punições.por terem “passado do ponto” nas reclamações.

Todos foram colocados sob o artigo 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, que cita: “Assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras deste Código”. Na ocasião, eles  “desrespeitaram os membros da equipe de arbitragem, ou reclamaram desrespeitosamente contra suas decisões”.

O gancho pode ser de um a seis jogos de fora para os jogadores, comissão técnica ou médico do time. Para os dirigentes, a pena varia de 15 a 180 dias. Dependendo da decisão das autoridades, a suspensão pode se tornar uma advertência.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Julgamento acontece depois do jogo contra o Ituano

Todos os envolvidos serão julgados na próxima quinta-feira (14), após a partida contra o Ituano, que acontece neste domingo (10), às 16h, no Estádio Novelli Júnior, em Itu, pela última rodada do Campeonato Paulista.Dependendo do gancho (pena máxima ou não), os atletas poderão desfalcar o São Paulo pelo restante do Estadual.

Por outro lado, o São Paulo foi colocado no  243-F do Código Brasileiro de Justiça Desportiva por “ofender alguém em sua honra, por fato relacionado diretamente ao desporto”.  Pode ser multado em R$ 100 a R$ 100 mil.