5 momentos de tensão que Daniel Alves viveu na cadeia

Daniel Alves foi cinenado q autro anos e meio de risão por estupro pelo Tribunal de Barcelona. O caso aconteceu no final de dezembro de 2022 contra uma mulher de 23 anos, na boate Sutton, na capital da Catalunha. Na cadeia desde janeiro do ano passado, ele já passou por diversos momentos tensos

O primeiro deles foi justamente a sua prisão preventiva. O jogador deu um depoimento que não condizia com a versão da vítima. Além disso, havia a possibilidade de fuga ao Brasil, país que não permite a extradição ao exterior. Diante disso, a juíza Maria Concepción Canton Martín determinou que ele fosse encaminhado ao Centro Penitenciário Brians 2 no dia 20 de janeiro de 2023.

Inicialmente, o brasileiro havia dito que nem conhecia a vítima. Posteriormente, exames do Instituto Nacional de Toxicologia e Ciências Forenses de Barcelona comprovaram que os restos de semen presentes na mulher e na casa noturna eram do jogador. As imagens gravadas pelas câmeras de segurança também mostraram ele entrando no banheiro após a mulher, contradizendo a sua versão mais uma vez.

Depois da traição envolvendo todo o caso, sua mulher, Joana Sanz, optou por acabar com o relacionamento (apesar de ter desistido da ideia de se separar no papel posteriormente). De acordo com a imprensa espanhola, ele foi visto “abatido e nervoso” por conta da decisão da modelo, e ficou três dias sem comer.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Daniel também foi hostilizado na prisão. Um interno do local conversou com um programa de TV e deu detalhes sobre a convivência do brasileiro com os outros detentos. Segundo ele, Daniel é chamado de “estuprador” e é intimidado pelos outros presidiários. Ele estaria mais magro e abatido.

Depois de mais um pedido de liberdade provisória negado, a Justiça da Espanha encerrou as investigações e anunciou que ele seria julgado. Na ocasião, a defesa da vítima pediu 12 anos de cadeia, pena máxima para este tipo de crime na Espanha, enquanto o Ministério Público pediu nove anos de prisão.